Infertilidade: Fator Masculino

O fator masculino é responsável por cerca de 40% dos casos de infertilidade. A principal causa é a chamada Varicocele que consiste na presença de veias varicosas nos Testículos.

Existem várias outras causas orgânicas que podem levar ao mau funcionamento dos Testículos. Porém de um modo geral podemos dividir as causas em secretoras onde existe deficiência na produção dos espermatozóides ou excretora quando ocorre algum problema no transporte dos mesmos até saírem na ejaculação.

O exame de Espermograma avalia a contagem (concentração), motilidade (movimentação), morfologia (formato) e vitalidade (quantidade de vivos).

Quando existe baixa quantidade de espermatozóides no ejaculado é chamado da oligospermia, se a deficiência for de motilidade astenospermia, se for de morfologia teratospermia. Podem haver várias deficiências na qualidade conjuntamente e nesse caso se unem os nomes. Quando há deficiência em todos os parâmetros chamamos de oligoastenoteratospermia. Quando não existem espermatozóides no ejaculado chamamos de azoospermia, e esta também pode ser por ausência de produção (secretora) ou por interrupção no transporte (excretora)

Para fins do tratamento solicitamos a coleta dos espermatozóides que vão ser utilizados para a fecundação. Quando o paciente apresenta espermatozóides no ejaculado a coleta é normalmente feita por masturbação.

Para a coleta solicitamos ao paciente que respeite a abstinência de no mínimo 48h. A coleta deve ser feita de preferência na clínica, porém em casos especiais o paciente pode colher fora e trazer o material imediatamente. Nunca deve ser utilizado preservativo normal pois o mesmo contém um agente que mata os espermatozóides (espermicida).

Quando o paciente não apresenta espermatozóides no ejaculado a coleta é feita diretamente dos Testículos ou de um órgão que fica ao lado do Testículo chamado de Epidídimo.

As técnicas de coleta incluem a Aspiração Percutânea de Espermatozóides dos Epidídimos (PESA), Aspiração Microcirurgica de Espermatozóides dos Epidídimos (MESA), Aspiração de Espermatozóides dos Testículos (TESA), e Micro-Extração de Espermatozóides dos Testículos (Microtese).

Na PESA o paciente recebe anestesia local e a punção é feita com seringa de insulina nos locais onde pode haver concentração de espermatozóides

"O fator masculino é responsável por 40% dos casos de infertilidade"

No caso da Microtese é feita uma micro cirurgia no Testículo, sob sedação e com auxílio de um microscópio cirúrgico.

Tanto as amostras coletadas por masturbação como as coletadas pelas técnicas acima podem ser armazenadas por meio de congelamento para uso posterior, desde que tenham um mínimo de condições para isso.

Em alguns casos, mesmo com as técnicas descritas não se consegue obter espermatozóides, mas sim célula precursora dos mesmos chamada de espermátide que pode ser maturada no laboratório e ser utilizada para a injeção.

Próxima Página

Clínica Fertilis - Rua Marcelino Soares Leite, 33 - Trujillo - Sorocaba-SP - CEP: 18060-390 - Brasil
Fone/Fax: +55 (15) 3233-0708 / (15) 3233-0680 / (15) 3233-0279